Voltar

 


 

Mas se o Silas contou essas histórias para sua filha, ele acabou por falar mais verdades, que invencionices. E a Victória acabou ganhando um contador de casos fantásticos, bem ao estilo das fantasias que o Silas carrega desde criança, mas um contador de caso que não deixa a fantasia matar a realidade.

 

Musical e humano, esse livro é a fotografia clara da alma do autor.

 

Conheço-o bem e posso dizer assim sem medo de errar.  Nas entrelinhas a gente reconhece Bob Dylan, Beatles, Cartola, Paulinho da Viola e mais um punhado de gente, dessas que a gente canta a plenos pulmões nos bares, madrugada a dentro.

 

Os bares do Silas. As canções do Silas. As histórias do Silas. É preciso lê-las. Mas, advirto, leia e tente captar bem o coração do autor.
É a parte mais visível e bonita desse livro.

 

Carlos Brandão

Muita gente parte das memórias para escrever suas histórias. Silas cola memórias com casos criados e acaba por nos trazer fatos que se parecem muito com ele: musicais, simples, emocionados e honestos, os casos do escritor são goianos com pitadas cariocas.

 

As terras do Silas. As terras que fizeram sua cabeça e sua vida. As terras que, de uma maneira ou de outra, ele ama e vai carregar para sempre com ele.

 

Muitas vezes, as histórias se parecem com casos inventados por um pai para fazer a filha dormir. Histórias que, de tanto a gente inventar, noite após noite, acabam virando verdade.